8 de outubro de 2014

Cortei a meta dos 42,195km

Aviso: Este post vai ser longo, pode provocar sonolência e mais para a frente poderá tornar-se demasiado lamechas. É de sua conta e risco continuar a leitura daqui para a frente.

Está feita a minha 1ª Maratona. E superou todas as minhas expectativas. Sempre disse que o principal objetivo seria terminar e de preferência sem o fazer em grande sofrimento. Estabeleci um plano de treinos que não segui com muito rigor, e por isso ao chegar a dia 5 tinha a perfeita consciência que podia ter feito mais e melhor.
Saí de casa às 7h na companhia do David Simão e do casal Cardoso (Pedro e Brigitte) e por volta das 7:40h estávamos a chegar junto ao Hipódromo Manuel Possolo em Cascais, para nos reunir-mos com os restantes Vicentes.

Eu, Pedro Cardoso e David Simão, acabadinhos de chegar a Cascais
No largo junto ao hipódromo. Já pairava no ar o cheiro a Maratona.
Dois dedos de conversa, saber as expectativas de cada um e o nervosismo, porque para a maioria iria ser a estreia, cumprimentar mais uns quantos amigos de outras camisolas e tirar a foto de grupo, para que depois cada um se preparasse para a prova que aí vinha. Uns foram fazer o último xixizinho, outros quiseram aquecer, etc.


Cerca das 8:20h fomos para a zona da partida, dão-se os últimos abraços, deseja-se sorte uns aos outros e instintivamente começamos a dividir-nos em grupos mais pequenos consoante os objectivos de cada um.
É dada a partida e demoro exactamente 3 minutos a chegar ao pórtico. Como partimos cá de trás, o início é feito nas calmas e não vimos necessidade de começar a furar pelo meio do pelotão, porque tínhamos 42km pela frente e não era isso que iria influenciar a nossa prestação.
O grupo inicial foi formado por mim, David Simão, Sandro, David Nascimento, Cátia e Cláudia. O ritmo rondava os 5.30m/km e por volta do km4 a Cláudia disse-nos que estava demasiado forte para ela e que ia abrandar um pouco. Foi uma decisão muito acertada e que fez com que ela fizesse uma excelente prova, sempre muito certinha e com a boa disposição que a caracteriza.
Os restantes 5 seguimos juntos e contrastando com os restantes atletas que nos rodeavam, fomos quase sempre na conversa. Tínhamos definido que apesar de irmos os 5 tentar fazer a prova em mais ou menos 4 horas, cada um seguiria no ritmo que achava mais adequado para si, para não comprometer a prestação pessoal. Quem quisesse ir mais depressa ia e quem quisesse poupar-se mais para os kms finais também.
Ao km 18 temos a primeira claque Correr Lisboa com a Verónica, a Cátia e a Matilde e o António. Foi muito bom vê-los ali e animou-nos bastante.
David S., eu e Sandro (Cátia e David N. iam mais à direita e não aparecem).
Dá para ver a boa disposição com que o grupo ia nesta altura.
Ao km 20 o David Nascimento, começa a sentir algum cansaço, decide abrandar também um pouco e a Cátia fica a acompanhá-lo. Quando chegamos à Cruz Quebrada, a Cátia junta-se a nós novamente (mas penso que o esforço extra que fez para nos alcançar, provocou-lhe um grande desgaste e foi um dos motivos para ao km25 ficar bastante para trás devido a dores musculares e ver-se obrigada a terminar a prova uns kms depois).
Passamos os 4 a barreira meia maratona com 1h56m, o que não sendo extraordinário, estava perfeitamente dentro daquilo que pretendíamos e dava alguma margem para gerir a segunda parte da prova.
Em conversa fomos dividindo os 42,195km em partes mais pequenas. Aos 21km faltaria apenas uma meia maratona, aos 27 seria só fazer a Corrida das Fogueira e aos 32 já só faltava uma São Silvestre.

Já sem a companhia da Cátia, recebemos novo alento ao avistar o seguinte cartaz afixado na véspera pelo Vasco, na passagem pedonal junto à Cordoaria.

"Quando as pernas doerem, corre com o coração!
PS - Despacha-te que estamos à espera para o almoço"
Um pouco depois de Belém foi a vez do David Simão sentir uma ligeira quebra e perder alguns metros para mim e para o Sandro.
Antes do km30 comentei com o Sandro, que estava espantado por me estar a sentir tão bem, física e mentalmente, apesar dos kms já percorridos. Mas que não iria arriscar em forçar o ritmo, porque daí para a frente entraria numa zona totalmente desconhecida, pois aquela era a maior distância que tinha corrido e não fazia a mínima ideia de como o corpo se ia portar daí para a frente.

Abro aqui um parêntesis para falar da estratégia em termos de alimentação, porque para meias maratonas não costumo levar nada (apenas aproveito os abastecimentos que a organização disponibiliza), mas para a maratona, achei melhor ter isso em atenção e ir precavido. Corri alguns riscos ao levar gel que nunca tinha experimentado e que tinha apenas a referência de alguns amigos que usavam e estavam satisfeitos, mas até nisso tudo correu lindamente. Levei 4 e tomei aos 11, 21, 30 e 37kms. E a escolha foi Extreme Gel Taurina da Gold Nutricion. Sempre acompanhados por bastante água.

Chegamos ao Cais do Sodré e está à minha espera o Ildebrando, que apesar de ir trabalhar à tarde, tinha-me dito logo que faria 5kms comigo. Equipado a rigor (de Vicente, claro!) e cheio de energia e boa disposição não se calou um bocadinho, ora incentivando-nos e dizendo que estávamos muito bem, ora tentando "sacar" uns aplausos das pessoas pessoas que estavam a assistir, e mais importante que isso deu-me umas dicas muito importantes do que iria apanhar dali em diante. Entramos no Terreiro do Paço e vejo bastante público e um pouco mais à frente o meu amigo Miguel Quintanilha que mesmo estando em serviço, fez questão de estar ali para nos cumprimentar e apoiar.

Eu, atleta estrangeiro, Sandro e Ildebrando (fotos do Miguel Quintanilha)
Já no Rossio, somos surpreendidos novamente pela Verónica e o António que depois do km18 "voaram" para o km32 para voltarem a dar-nos o seu apoio e registar o momento.
A Verónica ainda fez questão de correr uns metros connosco e ganhou!
Neste momento faltava apenas fazer uma São Silvestre (10km), e apesar de continuar muito forte mentalmente e do corpo também não se queixar em demasia, lembrei-me de uma frase dita por um amigo já experiente nestas andanças que diz que "A maratona é uma prova de 12km, com um aquecimento de 30!", ou seja, ali é que iria começar verdadeiramente a batalha e iria ver se o tão famoso "muro" (para os menos familiarizados com este termo pesquisem por muro e maratona) me ia aparecer pela frente ou não.
Apesar destes receios, o Ildebrando dá-me uma nova injecção de ânimo e confiança ao dizer-me "Parabéns! Da maneira como estás, a tua 1ª maratona está mais do que feita, por isso aproveita os kms que faltam para te divertires e saboreares o momento, como tens feito até aqui. Vais ver pessoal a bater no muro a partir dos 35km, mas mantém-te concentrado porque estás muito bem."
Novamente no Terreiro do Paço vimos o Carlos Ramos que iria connosco até ao fim. O Sandro resolve arriscar e acelera um pouco e o Carlos segue com ele. E já perto do km 35 o despeço-me do Ildebrando, que tinha que ir à vida dele.

Neste momento e pela primeira vez em toda a prova estava sozinho mas muito confiante de que já nada me impedia de cumprir o sonho de ser maratonista.
Um pouco mais à frente dá-se a junção com o pessoal da Meia Maratona que fazia ali a inversão no percurso. Esta situação foi também muito positiva porque temos mais gente a correr junto a nós, conseguimos encontrar muitos Vicentes e mais alguns conhecidos que foram fazer a meia maratona e ainda iam em sentido contrário e recebemos por parte de todos eles sempre um aceno caloroso ou um "Força" que nos empurra na direção da meta.

Por volta do km 38 avisto o Pedro Carvalho que ia com algumas dificuldades físicas, mas estava na companhia do Carlos Ramos que entretanto deixara o Sandro voar sozinho e ficou a auxíliar o Pedro. Perguntei se podia ajudar de alguma forma, mas o Pedro disse-me para seguir.
Não sei se está relacionado com o facto de ter visto o Pedro em dificuldades, mas após este momento fraquejei um pouco. Estava já convicto que iria terminar abaixo das 4h, mas pensei em caminhar um pouco antes do km 40 para depois terminar mais forte e enquanto vou com este pensamento levanto a cabeça e vejo estas Senhoras, a gritarem pelo meu nome:

Célia, Lurdes e Madalena
Aqui senti que levei uma autêntica chapada (no bom sentido), que me fez despertar daquela quebra psicológica que me tinha atingido momentos antes. Com aquele estímulo era impossível parar, era impossível até abrandar (apesar da ligeira subida).
Até aí tinha-me aguentado muito bem emocionalmente, mas neste momento não consegui mais conter as lágrimas.
Um pouco mais à frente vi o Sardinha que ia a caminhar e não consegui soltar uma única palavra, apenas lhe bati no ombro tentando transmitir-lhe um "Bora lá! Já falta muito pouco.". Na zona da loja ProRunner estava o Xico que disse também que me iria acompanhar alguns metros. Disse-me também que eu estava com bom aspecto para quem já ia com 40km, fiz-lhe +/- o relatório do pessoal que vinha lá mais atrás e perguntei-lhe pela malta da frente. Subimos em direção à Av. Dom João II, que estava repleta de gente e está o Bruno Claro à minha espera. Ele que tinha "despachado", minutos antes a meia maratona em 1h39m obtendo assim recordo pessoal. Faço alguns metros na companhia do Xico e dele e entrego-lhe o boné, para cortar a meta mais bonito. lol
Em frente ao Vasco da Gama, volto a "transpirar dos olhos" ao ver a esposa com a minha filha ao colo e um casal de amigos. Só consigo dar um "mais cinco" à filhota e coloco os olhos no chão, para ninguém ver o "suor" que me caía pelo rosto.
Dou a volta e entro na reta final. Limpo o rosto à camisola e preparo-me para cortar a meta. Avisto o pórtico e mesmo em frente a Sandra de máquina fotográfica em punho. Faço um último esforço para conseguir conter todas as emoções e penso "Está feito. Conseguiste!"

Está feita! (Foto Sandra Ramos Claro / CorrerLisboa)
Confirma-se a passagem na partida ao minuto 3.
Gráfico dos tempos por km. Como podem ver, parecia um relógio Suiço.


Não quero terminar este post sem os devidos agradecimentos. Algumas pessoas mencionei no texto anterior mas muitos ficaram de fora.
Obrigado esposa e filhota, por toda a compreensão nos momentos, em que me privei de estar convosco para poder treinar e cumprir este sonho, nos últimos quatro meses; Aos meus pais e "la familia", pelo incentivo que sempre recebi, fazerem-me acreditar que era capaz e por terem aturado o facto de muitas das minhas conversas nos últimos tempos irem dar sempre à palavra "Maratona"; Sandra e Bruno Claro, por serem os grandes responsáveis de eu agora gostar de correr; Aos "Compadres", que mostra que a corrida para além de muitas outras coisas traz-nos grandes Amigos; Aos "Vicentes na Maratona", por toda a entreajuda através da troca de informações e dicas que antecederam a prova; Ao Vitório, Pedro, Bruno e André, porque não esqueço que tudo isto das corridas começou após o levantamento dos dorsais para a Mini Maratona da 25 de Abril de 2012; A todos os Vicentes que semanalmente nos acompanham à terça-feira e que tornam este grupo, na coisa maravilhosa que é e dão às provas um colorido amarelo muito especial; Ao pessoal dos vários blogues sobre corrida que acompanho e que são também grande inspiração; E a todos os restantes amigos e conhecidos que a corrida me trouxe nestes 2 anos e com quem me cruzo nas provas sempre com uma saudável troca de cumprimentos e incentivos, porque as nossas corridas não têm adversários, mas sim amigos que também correm para se superarem a eles próprios. Obrigado pelas muitas palavras de incentivo que recebi da vossa parte.


Prometo que estou mesmo a terminar. Mas dos agradecimentos anteriores, quero destacar aqueles que foram muito importantes especificamente ao longo dos 42,195km (todos com igual grau de importância).
- Cátia Nascimento, David Simão, David Nascimento e Sandro, pelos magníficos kms percorridos juntos.
- Verónica e António pelo apoio ao km18 e novamente ao 32.
- José Saraiva, que fez dezenas de kms de bicicleta para trás e para a frente a perguntar se estávamos bem e se era preciso alguma coisa.
- Ildebrando, obrigado pelas dicas e pela companhia na barreira das 30 e por me fazeres acreditar que já estava.
- Quintanilha, para além da presença do Terreiro do Paço, o exemplo de força e determinação.
- Lurdes, Célia e Madalena, por depois de fazerem a vossa prova irem para uma zona importantíssima puxar por todos aqueles que passavam. São sem dúvida um grande exemplo para todos.
- Xico e Bruno, pelo apoio final e pela preocupação com todos os que ainda aí vinham.
- Rutília e Maria, só pelo facto de lá estarem. Sei que também não devem ter sido fáceis os momentos de ansiedade até à minha chegada.
- Ritinha e Pedro, acho que basta dizer Obrigado. O resto vocês sabem.
- Sandra, pelo registo fotográfico que imortalizará este meu momento, mas também por todo o amor e empenho que dedicas a esta grande família de Vicentes (obviamente que o Bruno também), e que fazem que todos nos sintamos muito orgulhosos por vestir esta camisola.

"Até breve e divirtam-se. Principalmente divirtam-se a correr."

Esta expressão define a minha maratona. Eu diverti-me, e muito.



22 comentários:

  1. Parabéns!
    Foi também a minha estreia e teria feito um tempo parecido com o teu se não tivesse tido uma grande quebra ao km 36. Infelizmente fui sempre sozinho e sem ninguém a puxar por mim (para além dos desconhecidos que nos dão sempre um apoio incrivel, mas ver conhecidos é diferente). Tal como tu, não contive as lágrimas na passagem da meta, e diverti-me imenso durante toda a prova (mesmo com as dificuldades que senti de quando em vez), da mesma forma que senti os olhos a encherem-se de água ao ler o teu relato (ali na parte da filhota, então...). É mesmo uma grande emoção terminar uma maratona e ler os relatos de quem também o fez pela primeira vez.
    Parabéns de novo e que esta seja a primeira de muitas!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado pelas palavras e parabéns também para ti, maratonista. :)
      Abraço.

      Eliminar
  2. Nunca um artigo destes seria sonolento, quando o assunto é uma Maratona.
    Nunca seria lamechas pois uma Maratona é um mar de emoções muito fortes, muito próprias, que só quem está nos seus próprios sapatos entende.

    MUITOS PARABÉNS!
    Pela estreia e pelo fantástico tempo.

    Agora, a tua vida como atleta passa a estar no DM. E é uma sensação tão especial, não é? :)

    Descansa bem e... prepara-te! A partir de agora, o bichinho dos 42.195 instalou-se e não te vai largar enquanto não o fores saciando :)

    Um abraço, Maratonista Tiago!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigado João. Ontem ligou-me um amigo a dizer "Olha, tenho um colega que se lesionou e não pode ir ao Porto. Queres lá ir. A preparação está feita."
      Ai, o bichinho João, o bichinho..... :)
      Abraço.

      Eliminar
  3. Parabéns! Grande marca logo na estreia!

    ResponderEliminar
  4. Grande Tigas, o que dizer além de que foi uma estreia perfeita....sempre certinho até ao fim (é assim que eu gosto :)), sem grandes quebras, família e muitos amigos por perto...não se pode pedir mais. Muitos parabéns colega Maratonista, pela prova e por este texto que me emocionou...(sim, eu sou um lamechas sentimental, mas parece que não sou o único :) ) ....agora a corrida mudou de perspectiva, como diz o João....agora será sempre A.M. e D.M ....muito bem-vindo ao clube e conto contigo no Porto daqui a pouco mais de 3 semanas (tempo mais do que suficiente para recuperares e te meteres noutra :)).
    Grande abraço e boa recuperação

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado Carlos. Será uma grande loucura, mas quem sabe não nos encontraremos daqui a 3 semanas. :)
      Forte abraço.

      Eliminar
  5. Muitos Parabéns, Tiago! Grande estreia, muito certinho no ritmo, com a quebra mental que já se espera mas sem te deixares ir abaixo. Muito bom...
    O "suar" dos olhos é perfeitamente compreensível nestas coisas. ;)
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  6. Grande feito! Com esse espírito positivo, a prova só podia correr bem. Embora não sendo, o teu relato fez a distância parecer fácil. :)

    Boa recuperação e mais uma vez, muitos parabéns!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado.
      A recuperação está praticamente feita. :)
      Abraço.

      Eliminar
  7. Parabéns MARATONISTA!
    Bela estreia. Que seja a primeira de muitas!
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado.
      Abraço e boas corridas também.

      Eliminar
  8. Muito bom! Gestão perfeita da prova, e no fim tiveste a recompensa! Ainda bem que não andaste antes dos 40, seria muito difícil voltares ao ritmo, foi muito melhor assim! Um abraço e muitos parabéns!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigado Filipe.
      Abraço e boas corridas.

      Eliminar
  9. Mais uma vez porque nunca é demais... PARABÉNS!!!

    ResponderEliminar
  10. Tigas, fui acompanhando os teus treinos e os teus receios. Sempre te disse que eras capaz de fazer a maratona e abaixo do que dizias.
    Foste prudente e a meu ver ainda bem que assim foi. Acabaste bem, sem mazelas e com vontade de continuar e confiante para os próximos desafios.
    Força Tigas!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado Xico. Foste uma ajuda importante nos kms finais.
      Forte abraço.

      Eliminar
  11. Muitos mas muitos parabéns Tigas!
    Quando te vimos a passar em Santa Apolónia achámos que ias muito bem e confirmou-se. Pela corrida que fizeste, pelo tempo que conseguiste estás de parabéns.

    ÉS MARATONISTA!!!! :)

    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigado Isa e os maiores sucessos para os teus próximos desafios.
      Beijinhos.

      Eliminar